Arquivo da categoria: Saúde

Saúde destina R$ 96 milhões para estados e municípios

Recurso deverá ser utilizado na habilitação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e centros de trauma, entre outros serviços, em 20 estados do país

O Ministério da Saúde destinou R$ 96 milhões para custeio das ações da área de Média e Alta Complexidade (MAC) de 20 estados. O objetivo do reforço orçamentário é ampliar o atendimento prestado à população na rede pública e conveniada ao Sistema Único de Saúde (SUS). As ações do bloco de financiamento MAC incluem à ampliação e melhoria da Rede Cegonha, Rede de Urgência e Emergência, possibilitando a habilitação de novos serviços como leitos de UTI Adulto, Pediátrico e Neonatal, e Centros de Trauma.

As portarias que estabelecem os novos recursos foram publicadas na segunda-feira (21), no Diário Oficial da União (D.O.U).

Os valores incluem a expansão da rede de atendimento nas regiões beneficiadas, com a habilitação de Leitos de UTI Adulto, Pediátrico, Neonatal, Unidades de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru (UCINCa), Unidades de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo), Unidades de Terapia Intensiva Coronariana (UCO), Unidades de Cuidados Prolongados (UCP) e Unidades de Cuidado aos Pacientes com Acidente Vascular Cerebral (U-AVC), além de Leitos Clínicos de Retaguarda no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Dentro do Plano de Expansão da Rede de Urgências e Emergências, o município de Patos de Minas (MG) foi contemplado com o montante de R$ 3 milhões por ano (R$ 250 mil/mês) para a qualificação de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h). No município de São Luís, no Maranhão, o Hospital Dr. Carlos Macieira passa a ser habilitado em Serviços de Nefrologia e receberá o valor de R$ 3,1 milhões por ano, em forma de custeio, para manutenção do novo serviço. A verba será paga mensalmente, na ordem de R$ 262 mil, por meio do Fundo Estadual de Saúde.

Os vinte estados contemplados foram: Rio Grande do Norte (Natal / Parnamirim / Pau dos Ferros), João Pessoa, Paraíba, Pará (Capanema), Rondônia (Porto Velho), São Paulo (São Paulo / São José do Rio Preto / Marília / Campinas / Assis), Goiás (Goiânia), Acre, Pernambuco (Recife), Espírito Santo (Cachoeiro de Itapemirim), Santa Catarina (Rio do Sul / Blumenau / Jaraguá do Sul / Caçador), Paraná (Londrina / São José dos Pinhais / Ivaiporã / Campina Grande do Sul / Francisco Beltrão), Minas Gerais (Minas Gerais / Manhuaçu / Patos de Minas / Três Corações / Ouro Preto), Aracajú (Sergipe), Bahia (Salvador), Goiás (Goiânia), Maranhão (São Luís), Alagoas, Piauí (Parnaíba / Teresina / Floriano) e Tocantins.

Centros de Trauma – Parte das portarias publicadas destinam R$ 6,8 milhões para habilitar oito centros de trauma, nos estados do Paraná (Hospital e Maternidade Ivaiporã / Hospital e Maternidade Municipal de São José dos Pinhais / Hospitalar Angelina Caron), Minas Gerais (Casa de Caridade de Carangola / Hospital São Sebastião / Hospital Cesar Leite) e São Paulo (Hospital de Base de São José do Rio Preto). Os centros de trauma são estabelecimentos de saúde integrantes da Linha de Cuidado ao Trauma da Rede de Atenção às Urgências e Emergências que desempenham o papel de referência especializada para atendimento aos pacientes vítimas de trauma.

Rede Cegonha – Para o programa Rede Cegonha, do Ministério da Saúde, serão destinados R$ 6,3 milhões para reforçar a assistência integral, especializada e gratuita à saúde das mulheres (antes, durante e após a gestação) e das crianças recém-nascidas. Por meio desta estratégia, o governo federal tem incentivado, por exemplo, o parto normal humanizado. Entre as ações adotadas pela pasta está a implantação de Centros de Parto Normal, onde a mulher é acompanhada por uma enfermeira obstetra ou obstetriz, em um ambiente devidamente preparado para que possa se movimentar livremente e ter acesso a métodos não farmacológicos de alívio da dor.

O Ministério da Saúde também está desenvolvendo uma série de ações voltadas para a formação e capacitação de profissionais de saúde, como médicos, enfermeiras obstétricas e obstetrizes.

As secretarias de saúde dos estados e municípios também estão contando com apoio do Ministério da Saúde para reorganizarem a rede de assistência, tanto no sentido técnico quanto no financiamento, criando estratégias e políticas de atendimento mais eficientes e ampliando leitos nas áreas de maior necessidade, como os leitos de UTI Neonatal, definindo assim diretrizes e objetivos para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave ou potencialmente grave.

Por Gustavo Frasão, da Agência Saúde
Atendimento à Imprensa – (61) 3315-3533/3580

Fonte: Ministério da Saúde

Dia Mundial de Doador de Medula é comemorado neste sábado

18/09/2015 – Um grande marco foi alcançado em 2015: 25 milhões de doadores de medula óssea registrados em todo o mundo. Para comemorar a importância e o alcance da grande rede de cooperação global para o transplante de medula não aparentado, o INCA/MS lança o novo portal do Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), nesta sexta (18).

“Obrigado, 25 milhões de doadores” é o mote da campanha que mobilizará organizações e registros de todo o mundo para promover ações de conscientização sobre a importância de ser doador voluntário de medula óssea. A data será comemorada no terceiro sábado de setembro (dia 19, neste ano) e é uma iniciativa da Associação Mundial de Doadores de Medula Óssea (World Marrow Donor Association – WMDA), que reune os registros de doadores de 52 países.

No Brasil, o novo portal do Redome, mais interativo, informativo e de fácil navegação, será um eficiente instrumento de relação com doadores já cadastrados e futuros doadores. O destaque é uma área exclusiva para o doador, onde também será possível atualizar seu cadastro. Um dos desafios dos registros em todo o mundo é a fidelização do voluntário, já que este pode permanecer, em média, de 20 a 25 anos como potencial doador. Durante este período, é fundamental que os dados cadastrais sejam mantidos atualizados.

A informação, uma das principais aliadas no controle do câncer, também tem seu papel fundamental no transplante de medula, principalmente para esclarecer a população sobre todas as etapas que envolvem o procedimento: cadastro, fases de confirmação de compatibilidade, análise clínica do doador e, por fim, a doação.

“O doador precisa saber o que é a doação de medula óssea, como acontece o transplante, a dificuldade de se encontrar um doador não aparentado e como funciona o banco público de medula óssea. Essas informações transmitidas de forma acessível ajudam a conscientizar a população sobre a sua importância dentro do processo e esclarecem mitos que ainda persistem. Ainda há pessoas que têm medo de realizar a doação e o procedimento é muito simples”, ressalta Luis Fernando Bouzas, coordenador do registro brasileiro.

Hoje, o Redome é o terceiro maior registro do mundo, com cerca de 3,8 milhões de pessoas que compartilham solidariedade. “Somos parte de uma grande rede com um nobre objetivo: salvar vidas. Esse marco mundial de 25 milhões de doadores cadastrados evidencia que a nossa missão está fortalecida e representada por tantas pessoas pelo mundo que também acreditam: é possível aumentar as chances de cura dos pacientes”, finaliza o médico.

Fonte: INCA

Alimentos ultraprocessados estão impulsionando a epidemia de obesidade na América Latina de acordo com um novo relatório da OPAS/OMS

Alimentos
Washington, D.C., 1º de setembro de 2015 (OPS/OMS) – O novo relatório “Alimentos e bebidas ultraprocessados na América Latina: tendências, impacto sobre a obesidade e implicações para as políticas públicas” mostra que de 2000 a 2013, a venda per capita desses produtos aumentaram na América Latina, embora o declínio na América do Norte. O aumento do consumo está fortemente correlacionada com o aumento do peso corporal médio, indicando que estes produtos são um dos principais fatores das taxas aumentadas de sobrepeso e obesidade na região.

O relatório examina as vendas de produtos, incluindo refrigerantes, doces e salgadinhos, sucos, chá e café, entre outros. De 2000 a 2013, a venda per capita destes produtos aumentaram 26,7% nos 13 países latino-americanos estudados (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Guatemala, México, Peru, República Dominicana, Uruguai e as vendas Venezuela). A venda destes mesmos produtos diminuiu 9,8% na América do Norte.

Os dados também mostram que o aumento no consumo de alimentos ultraprocessados está fortemente associado ao aumento do peso corporal em 13 países latino-americanos estudados. Nos países em que as vendas destes produtos eram mais elevadas, incluindo México e Chile, a população tinha uma média de índice de massa corporal (IMC) mais alta do corpo. No entanto, tanto o IMC como vendas de alimentos ultraprocessados foram crescendo rapidamente nos 13 países estudados.

Globalização e penetração no mercado

Estas tendências, de acordo com o relatório, se devem a mudanças no sistema internacional provocada pela globalização e pela desregulamentação do mercado, o que aumentou a penetração das empresas estrangeiras e multinacionais de alimentos nos mercados domésticos de alimentos. O relatório apresenta dados de 74 países no mundo, mostrando uma forte correlação entre as vendas de alimentos ultraprocessados e desregulamentação do mercado, como indicado pelo Índice de liberdade econômica.


Inversão da tendência

Para conter o aumento do consumo de alimentos ultraprocessados e as taxas crescentes de obesidade e sobrepeso na América Latina, o relatório recomenda que as organizações governos, comunidade científica e da sociedade civil para apoiar e implementar políticas para proteger e promover a escolha de alimentos saudáveis. Estas políticas devem passar por campanhas de informação e educação, mas também pela adopção de legislações em matéria de preços, incentivos, agricultura e comércio para proteger e promover a agricultura familiar, as culturas tradicionais, incluindo alimentos frescos, produzidos localmente em programas como de merenda escolar, e estimular as habilidades domésticas de cozinhar. Estas medidas estão em linha com o Plano de Ação para a Prevenção da obesidade em crianças e adolescentes OPAS/OMS foi adotado em 2014 e apela também para o estabelecimento de comercialização restrita de alimentos não saudáveis para crianças.

Acesse o relatório em inglês ou espanhol

Fonte: OPAS

Cresce o número de infectados por HIV no Brasil, diz ONU

Um relatório anual divulgado nesta quarta-feira (16) pela Unaids, a agência da ONU dedicada à luta contra a Aids, aponta que o Brasil enfrenta um recrudescimento da epidemia da doença.

Segundo o texto, o país registrou aumento de 11% do número de infecções por HIV de 2005 a 20013, enquanto no mundo houve uma queda de 27,6% nesse mesmo período.

Na América Latina, a tendência também é de diminuição, ainda que lenta em cinco anos, o número de novos casos caiu 3% na região.

Os dados do relatório, de acordo com Jarbas Barbosa, secretário de vigilância em saúde do Ministério da Saúde, são estimativas coerentes com os registros nacionais.

Segundo ele, a epidemia no país está concentrada em populações vulneráveis, como gays, prostitutas e usuários de drogas. “Países de epidemia concentrada têm um desafio maior, porque o número de infectados não é grande, mas essas populações têm barreiras de acesso aos serviços de saúde”, diz.

Hoje, 0,4% da população brasileira tem HIV.

A situação brasileira, afirma ele, é semelhante à de países da Europa e dos EUA e diferente da de locais com epidemia generalizada, como em alguns países da África, onde a maior diminuição foi registrada.

Ele afirma que políticas de saúde, como oferta de tratamento, surtem um efeito mais rápido nesses países que têm maior disseminação do vírus.

Dado isso, Barbosa afirma que uma possibilidade em análise para explicar o aumento apontado pelo relatório da Unaids é o maior número de casos de HIV entre homens jovens gays. “Como a gente sabe que na população gay a transmissão é maior, muito provavelmente quem sustenta esse crescimento é esse grupo.”

A Unaids também aponta para o aumento da circulação do vírus entre jovens gays e cita falhas em políticas de prevenção em grupos de maior risco no país.

“Agora, é preciso que campanhas específicas voltem, principalmente para homens que fazem sexo com homens”, diz Georgiana Braga-Orillard, diretora da Unaids Brasil. “O país passou por uma fadiga na prevenção.”

MAIS MORTES

O relatório também registrou alta de 7% no número de mortes pela Aids no Brasil. Também houve aumento no México (9%) e na Guatemala (95%). Em toda a América Latina, porém, o número de mortes caiu 31%.

O ministério, no entanto, aponta para uma diminuição. No último boletim, com dados coletados até junho de 2013, o governo indica redução de 14% na taxa de mortalidade nos últimos dez anos.

A discrepância entre os dados se explica porque a Unaids considera números absolutos, enquanto o ministério realiza os cálculos levando em conta o tamanho e o crescimento da população.

De qualquer modo, para a Unaids e o Ministério da Saúde, a situação é preocupante. “Não estamos confortáveis de maneira nenhuma. Por isso temos nos preocupado, principalmente de 2013 para cá, em responder melhor a essa situação”, diz Barbosa.

A expectativa é de que os próximos dados reflitam as novas iniciativas. Em junho, o governo passou a oferecer a dose tripla combinada, que pode aumentar a adesão ao tratamento. Os pacientes também passaram a receber o medicamento no momento da infecção por HIV, independentemente da carga viral.

POSSÍVEIS CAMINHOS

Mudanças nesse quadro, segundo infectologistas, são possíveis com campanhas de prevenção para grupos específicos, diagnóstico e tratamento precoce. Hoje, porém, 150 mil pessoas no país não sabem que têm o vírus.

Para o infectologista Artur Timerman, do Hospital Edmundo Vasconcelos, faltam dados de como o vírus está circulando e o perfil exato dos infectados. “É preciso fazer a sorologia em uma amostra de indivíduos, registrar o número de infectados e separar por perfis”, diz ele. “A Aids não está sob controle e o programa brasileiro não é essa maravilha de que se fala.”

Fonte: Folha de S.Paulo
Autor: MONIQUE OLIVEIRA